segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Abrupto

"Nada do que tinha era o que realmente queria", pensava ela enquanto observava a melancolia das gotas de chuva que caíam. Também não sabia o que de fato seu coração pedia naquele momento. O que a machucaria mais? ser assim distante ou ser próximo como fora outrora?
Suas feridas estavam por demais expostas para cicatrizar tão rapidamente. Não podiam exigir isso de alguém tão frágil como ela! Suas lágrimas pareciam cravadas em seu rosto, já encontravam lugar-comum em toda aquela desordem.

Então aquela luz acende-se: é preciso acordar para o novo dia.

1 comentários:

gabs disse...

Gostei bastante do blog e de tuas palavras, estou lhe seguindo.

Ocorreu um erro neste gadget